A PERGUNTA DE WILLIAM WAACK QUE FICOU NO AR - VEJA.COM

17/01/2018

Pergunta de William Waack tem a ver com o futuro da democracia

Ex-apresentador do Jornal da Globo pede desculpas e lança questionamento sobre como estamos enfrentando a nova realidade das comunicações 

Por Maicon Tenfen

FONTE - VEJA.COM 

Dois meses e alguns dias depois de ver divulgada a piada racista que lhe custou o emprego na TV Globo, William Waack finalmente veio a público para dar a sua palavra sobre o episódio. Além do artigo publicado na Folha de S. Paulo, concedeu uma entrevista exclusiva a Augusto Nunes, colunista da VEJA.

- Entre amigos - disse Waack ao olhar para a câmera - quem é que não fala merda?

Era esperado que o pedido de desculpas - totalmente necessário - viesse acompanhado de uma subentendida reivindicação ao "direito de errar". É justo que uma carreira de meio século seja atirada na lama por causa de cinco segundos de bobeira? "Não sou racista", escreveu Waack em seu artigo. "Tenho como prova a minha obra".

Até aqui, por assim dizer, temos os aspectos mais novelísticos do caso. Um figurão da TV é flagrado em pleno ato de escrotice e as coisas se desdobram com o alarde furioso das redes sociais.

Fim da história?

Negativo.

O drama de um jornalista solitário e de um país que se descobre racista é apenas um exemplo do que realmente está em jogo: a convivência entre os opostos num CENÁRIO altamente conectado em que a "mídia tradicional", nas palavras de Waack, dá provas contundentes de rendição a grupos organizados a partir da internet.

Em novembro, na ocasião em que o vídeo foi divulgado, perguntei aqui se a Globo é "visceralmente contra o racismo", conforme o comunicado da emissora, ou se estava apenas amarelando diante da fúria inquisitorial das redes sociais. O artigo e a entrevista de Waack sugerem - com conhecimento de causa - que a segunda opção é a mais provável.

Alguém há de dizer que tudo isso é muito bom, que as empresas e o governo têm mais é que ouvir o clamor das redes e que assim o mundo vai se transformar num lugar melhor. A lógica é verdadeira, mas só até certo ponto. Quem garante que as gritarias do Facebook são infalíveis? O que dizer dos linchamentos virtuais? Quais são os limites entre o ódio e a justiça?

Não me refiro apenas a celebridades como William Waack, mas a todas as pessoas que de alguma forma habitam o mundo virtual. Num artigo sobre Humilhado, livro do jornalista inglês Jon Ronson, tentei lembrar que basta um tropeço para tomar pedradas na internet - a menos que você seja um desses covardes anônimos que vivem de acender as fogueiras virtuais.

A expressão "ditadura da maioria" sempre foi válida em sentido histórico, mas nunca houve necessidade mais urgente de lidar com o problema do que nos dias de hoje. Combater essa forma de ditadura parece ser o legado dos veículos "tradicionais" de comunicação. Se os jornais e as emissoras de TV dançarem conforme a música das redes sociais, a quem o público vai recorrer para dirimir as suas dúvidas?

Nunca é demais dizer que William Waack errou feio, mas o pedido de desculpas não seria o mesmo sem o lembrete de que estamos vivendo num caos comunicativo irrefreável. O que fazer quando as regras do jogo mudam da noite para o dia? Cruzar os braços, resignados, ou "demonstrar se temos ou não coragem de enfrentar a realidade"?

O futuro das comunicações - e da democracia - depende da resposta que dermos a essa pergunta.