BYE-BYE BRASIL - ILONA SZABÓ DE CARVALHO

11/09/2019

Bye-bye Brasil

FONTE - FOLHA DE SP

Os brasileiros estão indo embora. No primeiro semestre deste ano, a Receita Federal registrou mais de 21,8 mil saídas definitivas do Brasil.

Engenheiros, médicos, advogados e professores que deixaram o país permanentemente. Se o ritmo continuar, chegaremos a mais de 40 mil pessoas até o final de 2019, quase o dobro do número registrado em 2018 e cinco vezes o de 2011.

Isso é apenas a ponta do iceberg. Milhares de cidadãos partem sem avisar as autoridades públicas.

Os que tiveram a oportunidade de receber uma boa formação no Brasil e, portanto, têm melhores chances de refazer a vida além-mar, estão saindo por vários motivos.

Alguns porque não veem futuro no país de origem. Outros estão fugindo por medo e insegurança. Há aqueles que ainda estão tristes e revoltados com a política e a polarização do país, querendo proteger seus filhos dos discursos e ações que geram ódio e divisão. Não raro é uma combinação de todas essas razões.

Populistas radicais podem desdenhar e dizer "boa viagem" a essa nova classe de exilados. Podem, também, acusá-los de não serem patriotas ou desejar que partam por falta de "alinhamento" ideológico.

Isso não é apenas míope como é economicamente desastroso. E o resultado é que todos os brasileiros, incluindo os contribuintes, perdem. O prejuízo para o Brasil é lucro para Canadá, EUA, França e Portugal, entre outros.

A "fuga de cérebros" brasileira é perigosa para a democracia e a economia do país. O esvaziamento da classe profissional significa que a qualidade dos serviços -saúde, educação, infraestrutura, apoio jurídico e muito mais- sofrerá tremendamente.

Levará uma geração ou mais para os brasileiros reabastecerem o estoque perdido de capital humano.

Enquanto isso, outros países recebem um enorme impulso com o "ganho cerebral" subsidiado pelos brasileiros.

Treinar um médico ou engenheiro brasileiro é um investimento enorme e varia de acordo com a região. Em média, um curso de cinco anos em uma universidade custa cerca de R$ 200 mil de recursos públicos ou privados, para treinamento geral e especializado.

Boa parte desse valor é financiada pelo Estado, que investe em sua base de habilidades com o objetivo de melhorar o bem público geral.

Esse valor multiplicado por 40 mil profissionais que podem vir a deixar formalmente o país até o final do ano, chega a R$ 8 bilhões. E essas são só as perdas visíveis. O custo de perder cidadãos produtivos e engajados é incalculável. É incerto e, no cenário atual, improvável que muitos deles e suas famílias retornem.

Para os que ficam e desejam dedicar-se a estimular os avanços do país, como os professores e cientistas, as notícias também não são boas.

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq ) revelou recentemente que sofrerá corte de 87% da verba de fomento à pesquisa em 2020, segundo a proposta orçamentária do governo.

Os brasileiros estão perdendo a esperança no Brasil -os que permanecem e os que saem. Sentem que o ambiente é cada vez mais instável e tóxico. Não querem viver em um país que menospreza e violenta mulheres e meninas, que pune grupos minoritários pelo que são, sacrifica as florestas tropicais e a biodiversidade, corta a educação, ataca a ciência e celebra o assassinato e o encarceramento indiscriminado dos mais pobres, mais fracos e vulneráveis.

Vemos a formação de uma maioria indignada, se questionando sobre o que pode fazer para estancar a degradação humana e cívica do nosso país. Este não é o Brasil que a maioria dos brasileiros sonha em habitar. Todos, não só os que saem, têm o direito de voltar a sonhar.

Ilona Szabó de Carvalho

Empreendedora cívica, mestre em estudos internacionais pela Universidade de Uppsala (Suécia). É autora de "Segurança Pública para Virar o Jogo".