CAFÉCOM BOBAGEM - BERNARDO MELLO FRANCO

24/12/2017

FONTE - FOLHA DE SP 

BRASÍLIA - Michel Temer terminou a semana bem humorado. Na sexta-feira, ele fez piada ao comentar as pesquisas que mostram a irritação geral com seu governo. "Nossa popularidade aumentou 100%, foi de 3% pra 6%!", disse, aos risos. Não foi o momento mais cômico do café da manhã com jornalistas.

Sem intenção de fazer graça, Temer atribuiu os números sofríveis à timidez do eleitor. "As pessoas têm vergonha de dizer, embora na verdade aprovem o governo", pontificou. É mais fácil acreditar em Papai Noel do que na desculpa presidencial.

Em outro momento de humor involuntário, Temer garantiu que será um cabo eleitoral "substancioso" em 2018. Na véspera, o ministro Henrique Meirelles fez discurso de candidato e passou quase dez minutos na TV sem citar o nome do chefe.

O presidente formulou mais frases curiosas, como "A questão da corrupção prejudicou muito o governo". Se fosse uma opinião sincera, ele teria demitido os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, denunciados ao Supremo sob acusação de integrarem uma organização criminosa.

Citando um publicitário amigo, Temer também disse que "popularidade é uma jaula". A declaração é duplamente falsa. Em primeiro lugar, porque nenhum político quer ser preso, mas todos tentam ser admirados.

Além disso, jaulas são ambientes inóspitos e cercados por grades de ferro. Se quiser saber como é a vida numa delas, Temer pode consultar velhos companheiros, como Geddel Vieira Lima e Eduardo Cunha.

*

Rosinha Garotinho quer voltar à cadeia. Ela promete tirar carteirinha de visitante para rever ex-colegas de cela em Benfica. A única com quem não trocou palavra foi Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral.
Na quinta-feira, a ex-governadora recebeu o marido com um bilhete onde se lia: "Por onde for, quero ser seu par". Os dois foram presos juntos, mas ela voltou para casa mais cedo.