CIENCIA, PENSAMENTO MÁGICO E TEORIAS CONSPIRATÓRIAS - CLAUDIA COSTIN

11/01/2019

Ciência, pensamento mágico e teorias conspiratórias

Causa espanto a existência de um movimento que questiona o fato de a Terra ser redonda

FONTE - FOLHA DE SP 

Recebi em minha sala, nesta semana, duas jovens que vieram conversar sobre os vínculos entre educação e meio ambiente.

Falava-lhes da importância de uma abordagem científica na busca de melhores estratégias de ensino, quando me contaram sobre um estranho movimento que questiona o fato de a Terra ser redonda -o terraplanismo-, que, segundo elas, teria ganhado adeptos até na Faculdade de Engenharia da UFMG.

Não pude conter meu espanto e entendi então a assertiva do ministro da Ciência e Tecnologia, que eu havia lido pouco antes, de que nosso planeta não apenas é redondo como orbita o Sol. Achara estranho Marcos Pontes ter que reafirmar algo tão básico e, sem entender o contexto, pensei que se dirigira a crianças.

Infelizmente, era verdade o que me haviam dito e parece que, para parte da população, os avanços da ciência e do Iluminismo não ocorreram.

Utilizam equipamentos modernos, viajam em meios de transporte desenvolvidos com base no conhecimento que adquirimos ao pesquisar, ao longo de gerações, como funciona o Universo que nos abriga, mas gostariam de voltar à Idade Média e aceitar, sem crítica, verdades não testadas.

Evidentemente, como mostra o físico Thomas Kuhn, em sua obra "A Estrutura das Revoluções Científicas", o conhecimento evolui e paradigmas aceitos podem ser substituídos por outros, quando investigações evidenciam seus limites e novas descobertas desautorizam conclusões precipitadas. Mas certamente esse não é o caso em pauta.

Para entender este mundo, em que olhares saudosos são lançados a um passado imaginado e a ciência, em seu estágio atual, aparece eivada de teorias conspiratórias, vale a leitura do livro "Educated: a Memoir", de Tara Westover (traduzido para o português sob o título infeliz de "A Menina da Montanha").

Nele, a autora se apresenta como fruto de uma família altamente disfuncional que não acreditava em instituições como escola, hospitais, médicos, vacinas, normas de segurança e até registros de nascimento. Tudo por conta de um pretenso complô que incluiria até Satã.

Para enfrentar isso, a família se tratava apenas com ervas, mesmo em casos dramáticos, e negava o direito à educação aos mais jovens. Quando a medicina caseira funcionava, mesmo que parcialmente, isso era mostrado como prova irrefutável de um milagre a confirmar teses conspiratórias.

Felizmente, Tara pôde, por seu esforço e, com o tardio acesso à educação, superar o destino que lhe fora reservado. Muitos a ajudaram no percurso.

Mas o que salvará países que preferem o pensamento mágico aos avanços da ciência e do processo civilizatório?

Claudia Costin

Diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais, da FGV, e ex-diretora de educação do Banco Mundial.