É ESSE O PRESIDENTE QUE QUER SE REELEGER? - LILLIAN WHITTE FIBE

15/02/2018

Mais crianças vão para o cemitério, mas Temer quer criar ministério da Segurança. Venezuelanos: anunciou força tarefa. Tudo vazio, como antes do carnaval.


Anúncio de mais uma força tarefa para "organizar" a entrada de venezuelanos que abarrotam Roraima.

Criação de mais um ministério, o da "Segurança", para aumentar as despesas e inchar a máquina pública.

Enquanto isso, mais crianças, mais adolescentes, mais policiais, mais turistas vão pro cemitério.

Assim opera o governo Michel Temer.
Bla bla blas aos borbotões.
Promessas e garantias cheias de mesóclises que não se cumprem.
Tudo vazio. Tudo igual.
Tudo como estava antes do carnaval.

Veja:

-----
Temer discute nomes para novo ministério que cuidará da PF, esvaziando Justiça
Por Andréia Sadi
15/02/2018 08h35 Atualizado há 1 hora
O presidente Michel Temer discutiu nesta quarta-feira (14) no Palácio da Alvorada a criação do Ministério de Segurança Pública que terá, entre outras atribuições, cuidar da Polícia Federal. O debate foi feito durante encontro com ministros e os comandantes das três Forças Armadas.
--
A briga pela indicação já começou:
Aliados do governo querem Fleury Filho no futuro Ministério da Segurança Pública
-----
Embora Carlos Marun - ah, bom - seja contra, conforme informa o jornal Valor:
"Embora a eventual criação da pasta implique um incremento de votos pela reforma, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, manifesta-se contra a medida. (...) Outro ministro com acesso às discussões confirmou ao Valor que o martelo não foi batido. Um dos itens que pesam contra a medida é a dificuldade de destinar orçamento para a nova pasta, que se sair do papel, usará a estrutura do prédio do Ministério da Justiça. Em contrapartida (...)"

E dá-lhe bla bla bla.

-----

Pois é. Na cabeça de Temer a campanha presidencial já começou.
Afinal, como noticiou ontem o jornalista Raymundo Costa, do Valor:

"Nos arredores do Jaburu ninguém duvida de que o presidente Michel Temer é "candidatíssimo". O presidente incentiva o ministro Henrique Meirelles [Fazenda] para demonstrar que o governo tem condições de apresentar um candidato. No mínimo, Temer espera influir nas eleições. Mas um aliado importante, daqueles que chamam o presidente de Michel, não tem nenhuma dificuldade para afirmar: "A candidatura de Michel não existe. Ele é candidatíssimo".