Governo Temer entra na fase da carnavalização - JOSIAS DE SOUZA 

14/12/2017

FONTE - BLOG DO JOSIAS 


Michel Temer e seus aliados devem à plateia uma explicação. Precisam informar por que insistem em prometer o que não vão entregar. 

O governo não dispunha de votos para aprovar a reforma da Previdência há seis meses. Continua sem votos para prevalecer no plenário da Câmara antes do Natal, como pretendia. Mas jura que os votos cairão do céu até o Carnaval de 2018. Chegou-se ao impensável: conseguiram carnavalizar a mãe de todas as reformas. Por quê?, eis a pergunta que o presidente deveria responder a si mesmo.

A reforma enviada por Temer ao Congresso era ambiciosa. Coisa incompatível com sua impopularidade. Aconselhado a restringir a proposta ao tema quase consensual da idade mínima para a aposentadoria, o presidente deu de ombros. Alegou que sua base congressual era sólida. 

Enrolado na bandeira da austeridade, armou um campo de batalha, aprovou uma emenda constitucional instituindo um teto de gastos e seguiu em frente. Súbito, explodiu o grampo do Jaburu. E o governo perdeu o nexo.

Temer desperdiçou cinco meses do seu governo-tampão para obter o congelamento das denúncias criminais que a Procuradoria atravessou no seu caminho. 

Nesse intervalo, trocou a austeridade pela promiscuidade, pois teve de comprar a solidariedade dos deputados. Mandou para o beleléu uma obviedade: o que contém os gastos é o ato de não gastar. Espetou no déficit público o custo do fisiologismo que levou as investigações ao freezer.

Além da reforma da Previdência, naufragaram os planos do governo de aprovar neste ano um pacote de medidas fiscais que garantiriam a meta de 2018, que prevê uma cratera nas contas pública de R$ 159 bilhões.

 E o mesmo governo que dizia que a omissão do Congresso levaria ao Apocalipse agora considera plausível elevar sua previsão de crescimento econômico para o ano que vem. Em vez de 2%, o PIB crescerá 3%, informou o ministro Henrique Meirelles (Fazenda). Prestaria melhor serviço à coletividade se explicasse como fará para fechar as contas e impedir que o teto de gastos suba no telhado.

O economista Mário Henrique Simonsen, muito admirado por Meirelles, gostava de dizer que os brasileiros costumam ser otimistas entre o Natal e o Carnaval. Mas o governo, sob Michel Temer, exagera. Prepara-se para entrar na avenida de 2018 sem samba-enredo. Na comissão de frente, há um denunciado se fingindo de presidente e um presidenciável fantasiado de ministro da Fazenda. Atrás deles, desfila uma ala hipertrofiada da Lava Jato. Skindô-skindô.