MARCELO ODEBRECHT COMEÇA A USUFRUIR DELAÇÃO - JOSIAS DE SOUZA

19/12/2017

Marcelo Odebrecht começa a usufruir da premiação e delatados seguem impunes 

FONTE - BLOG DO JOSIAS 



Após amargar dois anos e meio de encarceramento, o empresário Marcelo Odebrecht troca nesta terça-feira o xadrez de Curitiba põe mais dois anos e meio de cana domiciliar. Começa a usufruir do prêmio que obteve por ter colaborado com a Justiça. A imagem do príncipe da construção pesada desfilando uma tornozeleira eletrônica entre a pérgula da piscina e a academia de ginástica de sua mansão no bairro paulistano do Morumbi talvez estimule o brasileiro a se perguntar: e quanto aos delatados, quando serão castigados?

Dizia-se que a delação da Odebrecht conduziria ao fim do mundo. Deram com a língua nos dentes 77 executivos da empreiteira. Foi a maior delação da história. No Supremo Tribunal Federal, a megadeduragem resultou na abertura de inquéritos contra oito ministros de Michel Temer, 24 senadores e 37 deputados. No Superior Tribunal de Justiça, aportou o pedaço da podridão associado a 12 governadores. E o Apocalipse ainda não chegou para nenhum acusado graúdo. Todos permanecem ativos, soltos e impunes.

Houve um tempo em que o Brasil era um país de corruptos sem corruptores. Com o advento da delação, tornou-se uma nação de corruptores confessos e corruptos inocentes. Houve algum avanço, pois os políticos sem mandato estão presos, como Eduardo Cunha; roçam as grades, como Lula; ou aguardam na fila, como Dilma. Mas a impunidade ainda socorre quem dispõe do escudo do foro privilegiado. Não há nos tribunais superiores de Brasília o vestígio de uma mísera condenação na Lava Jato.

Estalando de pureza moral, os delatados invocam sua inocência com tamanha desenvoltura que eliminam até o benefício da dúvida. Aos olhos da maioria da plateia os políticos agora são culpados até prova em contrário.

No julgamento do mensalão, ao salgar a dosimetria das penas dos operadores empresariais do escândalo, o Supremo criou o 'Efeito Papuda'. No petrolão, a oligarquia empresarial encontrou no mecanismo da colaboração premiada o caminho para a redução do seu castigo. O jogo estaria bem jogado se a premiação de poucos resultasse na punição de muitos. Mas quando os tribunais não fazem a sua parte, avacalha-se o jogo.

Tome-se o caso do julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral. Para salvar o mandato de Temer e manter a elegibilidade de Dilma, 4 dos 7 ministros do TSE desconsideraram as provas que atestavam o uso do dinheiro sujo da Odebrecht pelo comitê vitorioso em 2014. Enterraram-se evidências vivas. Temer tomou gosto pelo ofício de coveiro. E comandou também o sepultamento na Câmara das denúncias criminais resultantes de outra delação, do grupo JBS.

Nesta segunda-feira, véspera da saída de Marcelo Odebrecht da cadeia, Temer declarou numa cerimônia para a promoção de oficiais-generais o seguinte: "O Brasil não tem muito apreço pela hierarquia, no geral, pela organização. Não temos muito apreço pelas instituições." Defendeu a "reinstitucionalização" do país. Se a sensibilidade auditiva fosse transferida para o nariz, o brasieiro, ao ouvir discursos como o de Temer, sentiria um mau cheiro insuportável.

Quando se preparava para assumir o trono no lugar de Dilma, Temer acenara com a composição de um governo de notáveis. Cercou-se de amigos tóxicos. Quem perdeu o cargo está preso (Geddel Vieira Lima e Henrique Eduardo Alves). Quem se agarra na cadeia está denunciado (Moreira Franco e Eliseu Padilha). Tudo isso e mais o ex-assessor especial José Yunes, que deixou o Planalto antes do estouro da Odebrecht e autoproclamou-se dias depois uma "mula involuntária" de uma reme$$a Odebrechtiana enviada por Padilha, o chefão da Casa Civil.

Num ambiente assim, em que o presidente e seus amigos são parte da avacalhação das instituições, a premiação de corruptos confessos como Marcelo Odebrecht pode acabar se convertendo num custo sem benefício.

MEU COMENTÁRIO:

Conan Doyle e seu personagem Sherlock Holmes, estariam absolutamente desmentidos no Brasil de hoje. É que em seu tempo o Brasil não passava de um fazendão onde meia dúzia de nababos usufruiam do trabalho escravo e enriqueciam. 

Doyle e seu personagem sempre terminavam as histórias que urdiam deixando claro o princípio de que o crime não compensava. 

Hoje o maior delinquente da história recente da república bananeira deixa a prisão para cumprir pena domiciliar, em uma de suas mansões, com todo o conforto possível, apenas dois anos e meio depois de trancafiado. 

Será que o crime não compensa, mesmo? Ora, ora, os fatos estão a desmentir o brocardo...