NOVA CPMF É ESTELIONATO ELEITORAL - BERNARDO MELLO FRANCO, O GLOBO, RJ

10/09/2019

Nova CPMF é estelionato eleitoral


Paulo Guedes inventou uma nova sigla para ressuscitar a velha CPMF. Em entrevista ao "Valor Econômico", o ministro admitiu que o imposto, agora rebatizado de ITF, é "feio" e "chato". Faltou dizer que seu retorno seria um estelionato eleitoral.

Como deputado, Jair Bolsonaro passou duas décadas atacando a CPMF. No governo FH, chamou a contribuição de "desgraça" e "maldita". No governo Lula, disse que um deputado favorável à cobrança merecia o "troféu cara de pau".

Como presidenciável, ele declarou diversas vezes que não recriaria o imposto. "Não admitiremos a volta da CPMF. É um imposto ingrato, que incide em cascata e não é justo. Não existirá a CPMF", garantiu, às vésperas do primeiro turno.

Ao assumir o poder, Bolsonaro mudou o tom. Com o caixa apertado, ele permitiu que a equipe econômica defendesse a recriação do imposto. Na semana passada, passou a dizer que topa a "nova CPMF" se houver "uma compensação para as pessoas". Não explicou se ela viria na forma de abraço ou de tapinha nas costas.

Guedes tem apetite. Ele calcula que o imposto "feio" e "chato" pode render até R$ 150 bilhões por ano ao Tesouro. Seria dinheiro suficiente para suspender julgamentos estéticos e empurrar a cobrança goela abaixo da população.

O ministro também já começou a mudar o discurso. Para exaltar a "nova era", ele costumava desprezar todas as iniciativas dos antecessores. Agora diz que a CPMF, criada por tucanos e mantida por petistas, "arrecadou bem e por isso durou 13 anos".

Ao defender a recriação do imposto, Guedes se filia a um tipo conhecido dos brasileiros: o economista que abandona a cartilha liberal na primeira chance de morder o bolso do contribuinte.

Na entrevista ao "Valor", ele disse que a ressurreição do tributo poderá ser trocada por uma nova desoneração da folha de pagamentos. Mais uma vez, os empresários levarão o refresco enquanto os pobres e a classe média pagam a conta.