PRIVILÉGIOS DA FARDA - BERNARDO MELLO FRANCO - O GLOBO, RJ

11/01/2019

Está montada a arena para o primeiro duelo entre a equipe econômica e 

núcleo militar do governo. Os generais prometem resistir a qualquer tentativa de incluir as Forças Armadas na reforma da Previdência. Eles cavaram a trincheira nos últimos dias, com recados públicos aos "Chicago Oldies" de Paulo Guedes. 

Na terça-feira, o ministro Santos Cruz (Secretaria de Governo) desembainhou a espada. "Militar é uma categoria muito marcante, de farda", disse. Ele afirmou que a carreira possui "características especiais". É um argumento comum a policiais, juízes, promotores e outras corporações que defendem seus interesses.

O ministro Fernando Azevedo e Lima (Defesa) também defendeu tratamento especial aos militares. "Se o nome é reforma da Previdência, não estamos nela", decretou, em entrevista ao "Valor Econômico".

A equipe econômica quer incluir os militares na reforma para "dar o exemplo" e mostrar que ninguém será poupado. Ao cortar regalias da farda, o governo indicaria que o aperto valerá até para os amigos do presidente. Se a aposta for essa, é melhor jair refazendo as contas.

Há mais de um quarto de século, Bolsonaro é um combatente incansável pelos privilégios dos militares. Em 1993, ele já dizia que as consequências de uma reforma seriam "as piores possíveis". "Não posso admitir calado a marcha dos militares para a Previdência", afirmou.

Dois anos depois, o capitão acusou o presidente Fernando Henrique Cardoso de patrocinar uma reforma "insana". "O governo agora quer assassinar os militares da reserva e os pensionistas dos militares", dramatizou.

Em 1998, Bolsonaro se opôs ao fim do pagamento de pensão às filhas dos militares. "É um negócio chato de falar", reconheceu. Na sequência, ele alegou que a regalia teria sido criada em 1790, como se a antiguidade justificasse a manutenção do privilégio.

No mesmo discurso, o futuro presidente definiu como "palhaçada" a ideia de mexer na aposentadoria dos militares. Em seguida, ele dissertou sobre a participação popular na política. "Detesto o Pelé, mas ele tem razão quando diz que o povo não sabe votar", disse. "Se democracia é isso, prefiro a ditadura do Pinochet", acrescentou.