QUEM DURA MAIS?: VOCÊ OU SEU DINHEIRO? - MARCIA DESSEN

05/02/2018

Seja prudente na projeção do juro real líquido; não dependa do rumo da economia

  • FONTE - FOLHA DE SP 
  • A coluna da semana passada deu o que falar. Volto ao assunto para explicar por que adotei a premissa de 0,20% ao mês para estimar a taxa de juros real líquida, ou seja, depois dos descontos da inflação, dos custos envolvidos e dos 15% de Imposto de Renda.

    Teve gente que achou muito e quer saber onde investir para ganhar tudo isso. Outros acharam pouco e sugerem rentabilidade de 0,5% ao mês, perspectiva que torna tudo mais fácil, que reduz significativamente o desafio de atingir a meta.

    Antes de avançar, vamos localizar os fatos em uma linha imaginária de tempo e dividir a vida em duas fases, antes e depois da aposentadoria, a fase de investimento (acumulação do capital) e a fase de desinvestimento (retiradas até o final da vida).

    Na primeira fase (dos 20 aos 60 anos), estamos ativos, trabalhando, gerando renda, investindo e acumulando o patrimônio que irá nos sustentar na aposentadoria. Nessa fase, podemos correr risco nos investimentos, respeitando o nível de tolerância de cada um, para tentar acelerar a formação de riqueza. Nessa fase estamos vivendo o presente, as variáveis econômicas, mais previsíveis (ou não).

    Nessa fase de acumulação, e somente nessa fase, é possível estimar rentabilidade real líquida de 0,5% ao mês? Não o brasileiro típico que investe somente em renda fixa e, na maioria das vezes, na poupança. Os investidores mais agressivos podem adotar a rentabilidade histórica de sua carteira de investimento lembrando que o desempenho passado não vai se repetir. Se as coisas não saírem como planejado e considerando que temos o tempo a nosso favor, podemos corrigir as premissas e ajustar o planejamento ao longo do tempo.

    Na segunda fase (dos 60 em diante), a da aposentadoria, chegou a hora de gastar o dinheiro que guardamos e o objetivo do investimento é um só: fazer o patrimônio durar pelo maior tempo possível. É ele que irá prover ou complementar nossa subsistência. Terá início a fase do desinvestimento, em que serão feitos saques regulares para substituir a renda antes proveniente do trabalho.

    Se antes era aceitável algum risco nos investimentos, deixou de ser. O objetivo agora não é correr risco para ganhar mais. Mesmo os que arriscaram na fase de acumulação deixam de arriscar porque o objetivo agora é preservar o capital, e o horizonte de tempo é mais curto.

    A vilã a ser batida é a inflação. Essa é a meta a ser superada para assegurar o poder de compra do dinheiro daqui a muitos anos. De que inflação estamos falando? Da sua, da inflação da sua cesta de consumo na fase da aposentadoria, com tendência de consumir mais saúde e lazer, segmentos pouco captados pelo IPCA, que, embora imperfeito, é o índice que adotaremos para seguir com a simulação.

    Como o passado é a única amostra disponível, calculei a taxa de juros real de 2008 a 2017, Selic x IPCA, e apurei taxa média anual bruta de 4,65%. Deduzidos custos transacionais de 1% ao ano e Imposto de Renda de 15%, temos taxa real líquida de 3,10% ao ano e de 0,26% ao mês. Esse foi o prêmio que o Brasil pagou nos últimos dez anos. Quanto vai pagar nos próximos 30, 40 anos? Alguém se atreve a dizer que será maior? Ou maiores as chances de ser menor?

    Se o país entrar nos eixos (tomara que sim), esse prêmio tende a cair. Quer arriscar? Projete 0,25% ao mês. Mas não se esqueça de que uma estratégia vencedora pode levar anos para ser alcançada, e na fase de desinvestimento, infelizmente, não teremos mais esse tempo. Esse bem, precioso e finito, estará se esgotando.

    Onde investir para obter esse retorno? Volto a dizer que estamos falando da fase de desinvestimento, fase que não aceita risco, fase cujo horizonte de tempo está reduzido, fase em que os atributos de segurança e liquidez se sobrepõem à rentabilidade. Portanto, investir conservadoramente em renda fixa, títulos públicos, depósitos bancários, fundos de investimento, planos de previdência. A fatia de investimentos mais arriscados, se houver, será reduzida, com tendência a zerar.

    Os custos e os impostos serão gerenciados com mãos de ferro. Excluída a inflação, deles dependerá a sua rentabilidade líquida e a longevidade de seu patrimônio.

    Marcia Dessen

    É planejadora financeira pessoal, diretora do Planejar e autora do livro 'Finanças Pessoais: o que Fazer com Meu Dinheiro'.