SINAL DOS TEMPOS, O LEONARDO DE US$ 450 MILHÕES - ELIO GASPARI

19/11/2017

Voltar

19/11/2017
FONTE - O GLOBO

Sinal dos tempos, o Leonardo de US$ 450 milhões
O PSDB arrisca ficar com o mico de Temer


O quadro "Salvator Mundi", de Leonardo da Vinci, foi arrematado por US$ 450 milhões, batendo o recorde de US$ 170 milhões de um Picasso. Foi também um sinal dos tempos.

Entenda-se que se uma pessoa achou que o quadro valia US 450 milhões, para ela o preço foi justo. Nenhum museu entrou na disputa e nenhum especialista endossou o que parece ter sido uma maluquice. Em 2005, com sua atribuição discutida, o quadro valeu US$ 10 mil. Em 2012, já atribuído a Leonardo, ele foi vendido por US$ 127 milhões a um bilionário russo. De lá para cá começou a ser conhecido como "o último Leonardo" que chegava ao mercado, ou ainda a "Mona Lisa masculina".

O "Salvator Mundi" não é uma Mona Lisa porque muito do que Leonardo pintou em 1500 foi-se embora em sucessivas restaurações, numa das quais puseram-lhe um bigode, raspado depois. Nos US$ 450 milhões pagos pelo quadro houve muito marketing e, acima de tudo, o reflexo do excesso de dinheiro nas mãos de quem tem muito.

No início dos anos 30 o banqueiro americano Andrew Mellon comprou 21 quadros numa liquidação de obras-primas vendidas pelo museu russo do Hermitage e pagou US$ 1,1 milhão (equivalentes a US$ 1,8 bilhão em dinheiro de hoje). Levou a "Alba Madonna" e o "São Jorge" de Rafael, mais uma "Anunciação" de Jan Van Eick, quatro Rembrandts e um Boticelli. Em 1967 sua filha Ailsa comprou por US$ 5 milhões (US$ 40 milhões de hoje), o magnífico retrato de Ginevra di Benci, o único Leonardo que está fora da Europa. (Os Mellons doaram tudo ao povo americano.)

O Conde Francisco Matarazzo ensinava que "mercadoria não tem preço de mercado, terá preço se tiver quem a compre". Se isso valia para banha e biscoitos, estimar o valor de uma obra de arte é coisa muito mais difícil. Ainda assim, houve algo de extravagância nos US$ 450 milhões do Leonardo.
Para quem quiser, há uma reflexão do grande crítico Robert Hughes sobre arte e dinheiro, feita em 1984. Chama-se "Art and Money" e está na rede. Nela, Hughes previu o colapso do mercado de arte contemporânea. Não deu outra.

O PSDB arrisca ficar com o mico de Temer

Quando o senador Renan Calheiros empossou Michel Temer na Presidência da República, disse-lhe baixinho: "Estamos juntos." Durou pouco, pois Renan foi o primeiro cacique do PMDB a pular do barco da impopularidade de Temer. Aproximou-se do PT, protegendo sua base de poder em Alagoas, estado governado por seu filho.

Quem foi para a rua ou bateu panela contra o PT em 2016 está hoje diante de uma amarga realidade. O PMDB que deu os votos para a deposição de Dilma Rousseff está namorando o PT e vice-versa. Lula e Dilma falam em "perdoar" quem defendeu o impeachment. É uma manobra oportunista, pois a dupla é que deveria pedir perdão por ter jogado o país numa de suas piores crises econômicas.

O PT e o PMDB costuram seus acordos nas bases municipais e estaduais. Isso começou em Alagoas e hoje já está no Ceará de Eunício Oliveira e no Pará de Jader Barbalho. No Paraná de Roberto Requião a aliança é mais velha. Com isso, o grande mico do jogo vai para o tucanato, ainda incapaz de desistir de um governo que o PMDB está abandonando pela beira.
Renan Calheiros mostrou-se um sábio, mas ele simboliza também o produto da esperteza da oligarquia política nacional. Sua base eleitoral irradiou-se a partir do município de Murici, com cerca de 40 mil habitantes. Em 2010, 30% de sua população com mais de 15 anos era analfabeta. Boa parte dela está no Bolsa Família.

O odiado Filinto

Está nas livrarias "O homem mais perigoso do país", do professor americano R. S. Rose. Numa época de certezas rancorosas, essa biografia de Filinto Muller (1900-1973) é um convite à reflexão. Desde os anos 30, quando foi o chefe de polícia do Estado Novo, até sua morte, como presidente da Arena, o partido da ditadura, ele foi um dos homens mais odiados do país.

Fugiu da Coluna Prestes e foi um dos responsáveis pela extradição para a Alemanha nazista da judia comunista Olga Benário, grávida. Tudo falso. Quando Filinto exilou-se na Argentina, a chamada Coluna Prestes não existia. Olga Benário foi extraditada por ordem de Getúlio Vargas e Filinto não tinha voto na reunião do ministério em que isso foi decidido.

Filinto ficou com a conta das torturas do Estado Novo porque era o chefe de polícia e sabia delas, mas os chefes militares e Vargas saíram ilesos. Uma CPI encarregada de investigar o assunto teve muitos depoimentos e nenhum resultado. O levantamento que Rose fez desse trabalho é primoroso.

"O homem mais perigoso do País" foi um militar germanófilo e autoritário. Rose mostra-o como um "conservador, nacionalista, imperturbável no seu apoio a duas ditaduras", ambas anticomunistas.

O professor pesquisou perto de 70 mil documentos com a volúpia de um "criminologista qualitativo". Por isso ele informa: os 18 do Forte foram 23 e um deles, o tenente Eduardo Gomes, que viria a ser conhecido como o "Brigadeiro", foi ferido por tiros que lhe atingiram os testículos. (Curiosidade: vem daí o nome do doce que se apropriou do apelido.)

Salvar Temer

Derrubado o segundo pedido de abertura de processo contra Michel Temer, o bunker do Palácio do Planalto começou a costurar a rede de proteção para o doutor nos dias seguintes ao 1º de janeiro de 2019, quando ele volta à planície, sem mandato e sem foro especial. Trata-se de evitar que ele caia na jurisdição de Sérgio Moro.
A melhor ideia, que poderá vingar, é a limitação do foro aos ex-presidentes da República. A pior, indicativa do grau de delírio a que se chega na periferia do palácio, aconselharia Temer a renunciar ao mandato, elegendo-se deputado federal pelo PMDB de São Paulo. (A Presidência iria para Rodrigo Maia.)
Esse seria o momento Zimbábue de Pindorama.

Jacob Barata

Quando a Lava-Jato começou, ninguém achava possível que Sérgio Moro prendesse Marcelo Odebrecht. Ele foi para a cadeia em junho de 2015, mas achava-se impossível que viesse a colaborar com a Viúva. Em dezembro de 2016 Odebrecht começou a falar.

Jacob Barata Filho, o rei dos ônibus do Rio, está em cana e, pelo andar da carruagem, receberá penas duradouras. Hierarcas a quem ele mimava (e que o mordiam) já conheceram o dormitório de Benfica.

Madame Natasha

A boa senhora gostaria de saber por que tanta gente resolveu dizer que existe uma coisa chamada "fake news". Isso quer dizer "notícias falsas", ou mentiras, mas em inglês tudo fica mais chique.

Quando Donald Trump propagava que Barack Obama nascera no Quênia, e não no Havaí, ele estava apenas mentindo e quem mente é mentiroso. Desde que ele entrou na Casa Branca, o doutor só fez confirmar o apronto.