TITANIC DE BOLSONARO X ICEBERG - IGOR GIELOW

15/05/2019

Titanic de Bolsonaro encara iceberg chamado apuração das milícias

Só suspeitas citadas já são estarrecedoras, diz autoridade ligada à investigação

  • FONTE - FOLHA DE SP 

Como já dito aqui algumas vezes sem metáfora, o caso Marielle Franco é a ponta de um iceberg que ameaça cada vez mais o Titanic de Jair Bolsonaro. O presidente não exagerava quando falava em tsunami contra si no horizonte.

Segundo uma alta autoridade do Ministério Público Federal, com acesso parcial ao que está sendo apurado no inquérito que analisa os elos entre a família Bolsonaro e as milícias do Rio, o potencial destrutivo do que vem sendo analisado é enorme.

Isso foi dito por essa pessoa a um político em Brasília sem ligação nem com Bolsonaro, nem com a oposição. Ele se disse "estarrecido" pelas possibilidades que a investigação abre contra a imagem da família imperial, digo, na família presidencial brasileira.

Por que Marielle? Porque a investigação sobre as milícias surge e se sobrepõe à apuração sobre a morte da vereadora, fuzilada com seu motorista no ano passado. O esforço político-policial para melar o trabalho acabou levantando suspeitas federais, que ajudaram a driblar as barreiras locais e estabelecer pontos de ligação relativamente óbvios: é claro que o assassinato teve a ver com milícias.

Isso não quer dizer, como já inunda as redes sociais à esquerda, tão odiosas quanto as governistas, que os Bolsonaros tenham qualquer coisa a ver com a morte.

Mas foi aberto um baú de sortilégios sobre as ligações do gabinete do então deputado estadual Flávio, hoje senador, com pessoas suspeitíssimas do submundo miliciano -e, aí sim, com ligação sendo apurada com o notório assassinato. Não fica muito pior que isso, em termos de imagem.

O argumento bolsonarista de complô enquanto o país se desvia de discussões econômicas não para em pé. É queixar-se da qualidade das músicas tocadas pelos violinistas do Titanic numa etapa avançada de naufrágio, até porque hoje o problema da alquebrada economia brasileira passa justamente pelo risco político estimulado pelo governo.

O papel de Sergio Moro, candidato a viúva Porcina (vão ao Google, leitores mais jovens, se existem) do Supremo, é central no desenrolar dos fatos. É dele a chave do cofre dos segredos que a Polícia Federal vem acumulando e analisando desde que o Ministério da Segurança e a Procuradoria-Geral da República determinaram o pente-fino na confusão do inquérito de Marielle.

Como se vê, as metades quebradas daquela placa em homenagem à vereadora por um agora deputado bolsonarista do Rio seguirão, por um bom tempo, pendendo como lâminas de Dâmocles sobre o governo.

Igor Gielow

Repórter especial, foi diretor da Sucursal de Brasília da Folha. É autor de "Ariana".