VINTE MILHÕES NA CONTA DO AMIGO DE TEMER CONTINUA UM MISTÉRIO - O GLOBO, RJ

13/04/2019

Tentativa de depósito de R$ 20 milhões na conta de amigo de Temer continua um mistério


RIO E SÃO PAULO - Apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) como elemento para pedir, em março, a prisão do coronel João Baptista Lima e do ex-presidenteMichel Temer , a tentativa malsucedida de um depósito de R$ 20 milhões na conta da empresa do militar permanece um mistério. Imagens gravadas por sete câmeras na agência bancária do Santander na Avenida Heitor Penteado, no Sumaré, zona oeste de São Paulo, já foram apagadas pela instituição.

A unidade fica a 350 metros da sede da Argeplan, administrada por Lima, apontado por procuradores como operador de Temer. Segundo relatório do MPF, um homem desconhecido tentou fazer o depósito de R$ 20 milhões, em outubro do ano passado. No mesmo período, outro banco, o Bradesco, determinou que Lima encerrasse suas contas na instituição, por restrições impostas pelo compliance da empresa. O extrato de uma das contas jurídicas de Lima no Bradesco mostra que o coronel tinha exatamente R$ 20,3 milhões em caixa.

Apenas sete dias após o depósito frustrado na agência Santander, em 30 de outubro, Lima entrou com ação contra o Bradesco na Justiça de São Paulo, para ter o direito a manter seu dinheiro na instituição. O juízo da 5ª Vara Cível do Foro Regional de Pinheiros deu ganho de causa a Lima. Ele recebeu R$ 40 mil de indenização por danos morais e o direito de manter o dinheiro no banco. O Bradesco recorreu, e ainda não há uma decisão final.

Segundo ex-funcionário do Santander ouvido pelo GLOBO, seria praticamente impossível uma agência receber aquele montante de dinheiro em espécie sem uma comunicação prévia à gerência e garantia de cumprimento das normas de compliance da instituição financeira.

Salões de beleza, restaurantes, lavanderias e até uma sexshop rodeiam a unidade do Santander, uma das mais antigas da região. Funcionários do banco foram proibidos de falar sobre o caso. O gerente responsável por contas de pessoas jurídicas está de férias.

Na quinta, o advogado de Lima, Cristiano Benzota, informou que só se manifestará "nos autos do processo". Mas adiantou que a versão de "continuidade delitiva" ligada à tentativa de depósito de R$ 20 milhões, e mencionada pelo MPF ao pedir a prisão de Temer e seu cliente, "não faz sentido".